sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Nova opção gastronômica em Rosário do Sul

Os clientes da Confeitaria Dona Carolina , já acostumados à grande variedade de pizzas e outras opções de pratos, agora podem conferir as dezenas de combos de sushi, preparados pelo empresário Fabiano Ruskowski.
Em conversa informal, Fabiano contou que sempre gostou dos pratos japoneses  e sempre desejou aprender a arte do sushi. Foi então que numa de suas idas a Porto Alegre decidiu fazer um curso de sushiman.
Na volta, quis por em prática seu aprendizado e montou um belo prato para a esposa Luísa, o que chamou a atenção de alguns clientes que observaram o prato e logo quiseram experimentar também, não demorou muito para que os pedidos começassem, e agora Fabiano instituiu o dia do sushi na Dona Carolina: "todas as terças temos a casa lotada, as reservas são antecipadas e, mesmo assim, não estou dando conta da demanda, por isso eu trouxe outro sushiman da capital, o Will, que está numa correria junto comigo, pois são muitos os pedidos, mas até agora só recebemos elogios, só cumprimentos, estou feliz por estar oferecendo uma opção bastante saudável para os clientes e tenho certeza que todos estão muito satisfeitos", afirma o empresário.
Em Rosário do Sul a Confeitaria Dona Carolina já é uma referência gastronômica, entretanto, Fabiano conta que diversas pessoas de outras cidades estão vindo jantar ou então apenas buscar seus combinados de sushi, o que, para ele, é surpreendente e ao mesmo tempo satisfatório: "é uma alegria saber que trouxemos esta opção diferenciada e já temos conquistado o paladar não só dos clientes locais, mas de fora também, e não só de pessoas habituadas à comida japonesa, mas de novos adeptos, isso para mim, é muito gratifficante!".
A Dona Carolina aceita reservas e encomendas pelo fone 3231-4676.







sexta-feira, 16 de setembro de 2011

EXPOFEIRA EM ROSÁRIO DO SUL

Rosário do Sul, assim como os demais municípios da região da fronteira oeste, tem sua economia alicerçada no setor primário, destacando-se na agricultura com as lavouras de arroz irrigado e soja, na pecuária e na citricultura. O município conta com um rebanho bovino de 351.298 cabeças, que vem se mantendo ao longo dos anos.
A 62° Expoefeira e 6° Fenacitrus de Rosário do Sul, que acontece no Parque de Exposições Ananias Vasconcellos e a cada ano atrai um público maior, é uma realização do Sindicato Rural e da Administração Municipal.
                   

  
            62° EXPOFEIRA E 6ª FENACITRUS – ROSARIO DO SUL

                                            - 05 a 12 de Outubro de 2011 –
             
                 INSCRIÇÕES PARA ANIMAIS - DE 15 A 30 DE SETEMBRO
POR FAX OU PÓR EMAIL COM O SINDICATO RURAL OU COM VETERANO REMATES
                 
                                        PROGRAMAÇÃO          
05/10 – Quarta-feira
·         08h - Entrada dos animais no Parque
·         15h - Feira de Ventres Selecionados” / Pista de remates
·         20h - Palestra Técnica e Jantar no Restaurante do LIONS

06/10 – Quinta-feira
·         08h - Admissão dos animais para a Feira
·         15h - “12º REMATES CRIADORES DE BRAFORD” / PISTA DE REMATES
·         20h - Encontro de Criadores de BRAFORD e Jantar Restaurante do LIONS

07/10 – Sexta-feira
·         08h - Admissão dos animais para a Feira
·         09h - Reunião da AMFRO / Centro de Eventos
·         10h - Abertura do Pavilhão do Comércio
·         10h - Instalação do Governo do Município
·         10h - ABERTURA DA FEIRA DO LIVRO
·         12h - Último dia para entrada dos animais que irão à Prêmio
·         14h - Julgamento Admissão Eqüinos / Pista Central
·          20h - 2º REMATE “CAVALOS CRIOULOS “JÓIAS DE ROSARIO” / Pista de remates
·         20h - Palestra Técnica e Jantar no Restaurante do LIONS
·         22h - Show “Kelvin & Klaus – Dupla Sertaneja Universitária” / Centro de Eventos
·         22h - Fechamento do Pavilhão do Comércio

08/10 – Sábado                                                                                               
  • 09h - Julgamento de morfologia de Bovinos Eqüinos e Ovinos
  • 09h - 7°Encontro das Associações de Produtores Rurais e 2ª Mostra da Agricultura Familiar – Ovinocultura / GTG Adaga Velha.
  • 10h - Abertura do Pavilhão do Comércio
  • 15h - 3ª Mostra da Dança de Rosário do Sul / Centro de Eventos
  • 15h - REMATE DE Angus e Brangus / Pista de remates
  • 19h - Inauguração Oficial da Feira com entrega de prêmios / Centro de Eventos
  • 20h - 30ª Gauderiada da Canção Gaúcha de Rosário do Sul – Fase local / Pista Central
  • 22h - Show “Joca Martins e Juliana Spanevelo” / Pista Central
  • 22h - Fechamento do Pavilhão do Comércio

09/10 – Domingo
  • 8h - Prova Redomão 21 dias
  • 10h - Abertura do Pavilhão do Comércio
  • 15h - Concurso de “Esquila a martelo” – EMATER / Pista Central
  • 10h - Remate de Ovinos Multi Raças / PISTA DE ovinos
  • 15h - Remate de Touros Multi Raças/ PISTA DE REMATES
  • 15h - Prova de Campereada - Pista de provas do NCCCR
  • Atividades da URCAMP
  • 16h - Mateada a cargo da Rádio Marajá e Show com Talentos da Terra / Pista Central
  • 20h - Fechamento do Pavilhão do Comércio


Realização: Sindicato Rural e Administração Municipal
Telefones: 55 3231 2345 – 55 3231 2872  - 55 9613 5830
Local: Parque de Exposições Ananias Vasconcellos


domingo, 31 de julho de 2011

Artista gaúcha realiza obra sustentável no mundo do surf

O ator Édson Celulari foi conferir o trabalho da gaúcha
                                                                Foto: RTinoco 
      
                                                                                                Reportagem: Fernanda Bolsson


      O surf é uma cultura que tem transformado o cotidiano de milhares de jovens, tanto nas ondas como nas artes. É o caso da gaúcha Ana Paula Alves, conhecida pelos amigos e no meio artístico como APAS. 
     Nascida em Sant’Ana do Livramento, distante do litoral, Ana Paula nunca se imaginou fazendo Surf Art. Sua mãe gaúcha, foi professora de história e Miss Porto Alegre e seu pai, do Rio de Janeiro, trabalhava no consulado brasileiro no Uruguai. Ao aposentar- se escolheram morar na ilha de Santa Catarina, um meio caminho entre os estados do casal.
    Foi lá que Ana Paula Alves de Souza absorveu a cultura praiana. O interesse pela Surf Art veio ao mesmo tempo em que conheceu o material para fazê-la: um marcador largamente usado para diversos tipos de customização, para desenhos em skates e pranchas, fora das fábricas.
     Ana expôs em Imbituba, Santa Catarina, sendo a única expositora, quando quase não haviam exposições em campeonatos de surf, mas essa realidade começa a mudar, já que, segundo a artista: “hoje em dia o Brasil está tendo um boom de Surf Art, diversos campeonatos, galerias e até museus recebendo este tipo de manifestação, reflexo do estilo de vida de quem tem contato com a praia."
     Esse reflexo da “Beach Culture” atualmente atinge até cidades não litorâneas, como é o caso de Porto Alegre, um grande mercado consumidor de Surf Wear.
       Neste ano o mundial de surf mudou- se para as areias do Rio de Janeiro e pela terceira vez consecutiva ela expôs Arte em Pranchas nas areias da Barra da Tijuca. 
    Ana foi pioneira no Sul do Brasil ao colocar a Surf Art pela primeira vez numa Sala de Arte Contemporânea no Museu Histórico de Santa Catarina e em Porto Alegre no Memorial do RS. Também decorou os lounges do Super Surf 2009 no Costão do Santinho e no Maresia Surf International 2010. No Rio de Janeiro expôs na Coletiva “O melhor da Beach Culture” na Extreme Club, com a Galeria Alma do Mar. Na Bintang House na coletiva “Art with Soul”. No Super Surf da Barra da Tijuca 2009, entre outros campeonatos e lugares.
      A artista não parou por aí, foi idealizadora, produtora, curadora e participante da coletiva socioambiental e cultural “Floripa em Prancha!”, da “Porto em Prancha!” e da “Rio em Prancha! Um Manifesto Visual em Amor & Respeito ao Surf.”, uma coletiva onde parte da renda das obras sempre é destinada para um projeto social. Ana conta que as pranchas quando perdem a vida útil e vão se tornando um “lixo-problema”, por não se degradarem facilmente junto a natureza, são recolhidas e distribuídas para vários artistas.
        Sua curadoria prevê trabalhar a diversidade humana através da diversidade de técnicas que os artistas imprimem, misturando artistas da Surf Art com artistas que nunca tiveram contato com uma prancha, procurando um diálogo entre a diversidade num mundo repleto de discussões. - Acabei ficando no Rio para ampliar minha pesquisa nas fábricas de pranchas aqui, por exemplo, aplicando experimentalmente resina de mamona nas novas obras em prancha para que ela seja uma obra totalmente sustentável - revela Ana.
    Segundo a artista, o estilo de vida desde o século XX tem mudado radicalmente, principalmente em relação ao aumento generalizado do consumo. As catastróficas mudanças climáticas são a resposta da natureza a isto.
      Para maiores informações, entre em contato pelo e-mail apaulaas@gmail.com ou através do fone 21) 8060-7007.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Rainbow Mouse: o ratinho brasileiro que conquistou o mundo

As crianças manifestam sua imaginação de muitas formas, mesmo nos dias de hoje, quando elas têm tantos recursos à sua disposição e tantos apelos, como a internet, os videogames, os jogos em celulares, porque sim, muitas crianças interagem com as novas tecnologias de maneira muitas vezes mais eficiente que alguns adultos.
            Não é raro ver crianças ainda não alfabetizadas brincando nos computadores dos pais, assim como também não é difícil encontrar crianças que conseguem grandes pontuações em games que às vezes são complicados até para os pais. A tecnologia está aí e não se pode fazer de conta que ela não está cada vez mais presente na vida das pessoas.
            Há quem diga que no futuro as crianças não brincarão mais como antigamente. Os brinquedos mudam, a forma de se divertir também, entretanto, vale lembrar que algumas práticas deveriam ser estimuladas a partir do momento em que os pais notam que a criança tem condições de brincar. Desenhar é uma delas.
            O papel do desenho na formação do conhecimento da criança é fundamental. Desenhar é expressar emoções, sentimentos e também é uma forma de comunicação, onde a criança mostra o que sente e suas impressões acerca de seu cotidiano. Ao utilizar o desenho como manifestação de criatividade a criança desenvolve a coordenação motora, mas, além disso, a subjetividade de uma forma lúdica, onde cada traço é expressão de linguagem.
            Quanto mais estímulo uma criança tem maior será a capacidade dela de se relacionar não só com seus próprios sentimentos, mas também com o mundo que a cerca. Crianças que passam horas assistindo desenhos animados ou “brincando” no computador deixam de usar sua criatividade e expressar o que pensam, o que sentem em relação ao mundo.
            A estilista inglesa Stella McCartney, criou um concurso de desenhos infantis onde o vencedor estampará sua nova coleção de camisetas infantis. Crianças do mundo inteiro mandaram seus desenhos de monstros, insetos e outros seres imaginários.  A mineira Marina Fiuza, mãe de Ana Letícia, de seis anos, inscreveu o desenho da filha no concurso e explicou para a menina que seria uma grande brincadeira, para evitar uma possível decepção, caso ela não ganhasse o concurso, então após enviado o desenho, iniciou-se na rede uma grande campanha, onde amigos, familiares e conhecidos votavam e convidavam outros a votar: resultado: o rato verde de Ana Letícia com casaco colorido e sem nenhuma pretensão, de nome Rainbow Mouse, venceu o concurso.

Marina Fiuza, mãe de Ana Letícia conta:  "Ela escolheu o modelito para brincar de aquarela. Diz que é roupa de artista (macacão e boina). Falei que a boina estava muito velha, cheia de bolinhas e ela respondeu que não tem problema, é sinal de que ela é uma artista que trabalha muito"

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Beehive

O estilista Jean Paul Gaultier em seu desfile da coleção Outono 2011 da Paris Fashion Week utilizou elementos vintage. Nesta temporada o estilista quis mais beleza e mais feminilidade na mulher e começou pelo cabelo. As modelos usaram cabelo grisalho que, segundo o estilista, “pode ser muito bonito e muito elegante”. Além disso, as modelos ostentavam grandes coques em estilo Beehive.
O estilo de penteado Beehive, assim chamado pelo aspecto de “colmeia”, também conhecido como bolo de noiva, por ficar bem destacado no alto da cabeça, surgiu em 1958 devido a grande produção dos famosos laquês, que qualquer um podia comprar e usar em casa.
O penteado conquistou fama e ficou eternizado no filme “Breakfast at Tiffany’s”, estrelado por Audrey Hepburn. O estilo Beehive também era conhecido pelo nome de B52, um símbolo da época, que marcou o estilo da geração de 1960. O Beehive não caiu no esquecimento e continua sendo usado por noivas e por estrelas do cinema, principalmente em eventos de tapete vermelho, como a entrega do Oscar, por ser considerado sinônimo de glamour e sofisticação.
A criadora do Beehive, a cabeleireira Margaret Vinci Heldt, de 90 anos, conta que desenvolveu o penteado porque percebeu que quando tirava seu chapéu favorito, de veludo preto, o cabelo perdia o formato de colméia, então, uma noite enquanto a família dormia, ela colocou uma música para tocar enquanto moldava o cabelo de uma manequim. Mais tarde, uma jornalista que conheceu o penteado gostou do design e sugeriu o nome. Margaret vive em um pequeno apartamento em Chicago e coleciona troféus como cabeleireira e conta que o penteado tomou proporções que ela jamais imaginaria.
 O visual era inovador para a época e acabou criando tendência. As meninas gostavam do estilo porque estava na moda e porque viam no penteado das atrizes e modelos famosas elementos inspiradores, o que acabou se tornando um fenômeno cultural da época, considerado chique e usado ainda hoje por alguns artistas, como a cantora inglesa Amy Winehouse, que na verdade adotou uma exagerada “colmeia” como marca registrada.




quarta-feira, 1 de junho de 2011

Número de abelhas está diminuindo

Segundo o Relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o problema já aparece em muitos lugares no mundo. Grande parte das culturas agrícolas dependem da polinização das abelhas. Desssa forma, o crescente desaparecimento das suas colônias é considerado preocupante. Das espécies agrícolas que fornecem 90 por cento dos alimentos do mundo, mais de 70 são polinizadas por abelhas, refere o relatório. Muitas variedades de vegetais só existem devido a essa polinização. O declínio das colônias de abelhas revelou ser problemático há cerca de 40 anos e há pouco mais de uma década tem se tornado mais grave na Europa.
O relatório informa que as abelhas estão diminuindo nos Estados Unidos, onde o número de colméias é o menor das últimas cinco décadas e há diminuição também em algumas regiões da Europa, Austrália, China, Japão e África.
A diminuição das colônias de abelhas deriva de problemas como as alterações climáticas, determinados parasitas que prejudicam as culturas, as contaminações por iseticidas, e, provavelmente, o grande número de ondas magnéticas espalhadas pelo mundo, que, de acordo com algumas pesquisas, podem estar alterando a memória das abelhas, já que elas saem para o campo e não retornam a sua morada. No Brasil, os agricultores têm reportado sintomas inexplicáveis e epidemias, algumas delas já estão sendo analisadas por pesquisas.
No Rio Grande do Sul, outro fator que contribui para o enfraquecimento do número de abelhas é o grande número de apicultores sem conhecimento técnico, que não observam critérios e não obedecem as recomendações básicas da produção, por exemplo, permitindo a superpopulação de colméias. Os apicultores sem conhecimentos básicos cometem erros graves, desrespeitando a natureza, já que para o manuseio correto das abelhas é necessário que se leve em conta certos procedimentos.
A poluição do ar, as queimadas, os campos eletromagnéticos e a aplicação de herbicidas e pesticidas são alguns dos fatores responsáveis pelo desaparecimento das abelhas e os pesquisadores vem tentando investigar as possíveis causas de tantas mortes de abelhas nos últimos anos.
A degradação do meio ambiente, incluindo a perda de espécies de plantas que são a alimentação das abelhas, é um dos fatores mais sérios, assim como o crescimento de parasitas como a varoa, originária da Europa e que vive no Brasil desde meados da década de 60. O parasita se alimenta de fluidos de abelha, mas pode ser atenuado pelo controle natural, higiene das caixas, retirada de favos zangoneiros e e a revitalização da colméia.
Outras ameaças são as espécies invasoras, como a predadora vespa gigante e a vespa mandarinia, que atacam as colônias das abelhas melíferas.
A abelha africana, tão temida nos anos 60 e 70, agora tornou-se aliada dos apicultores, por ser polinizadora e altamente produtiva. Configurando-se como maior produtora dos derivados, como pólem e mel, na medida em que ela apresenta maior produtividade, ainda assim, ela continua sendo agressiva e ainda indefinida, pois não sofreu todas as mutações, de acordo com pesquisadores.
Certos apicultores como o rosariense Lino Copetti estão preocupados com a agressividade das abelhas em algumas regiões como no centro do estado e na fronteira, segundo o apicultor, a invasão nos centros urbanos se deve ao desequilibrio ecológico, como desmatamento, poluição, queimadas e agrotóxicos, mas também a falta de conhecimento técnico de certos apicultores, que cometem equívocos no manuseio das abelhas, atrapalhando o comportamento natural das mesmas.
Lino salienta que seria necessário que os apicultores recebessem acampanhamento técnico e subídios para tanto, assim como políticas voltadas a incentivos aos agricultores e apicultores para que estes conseguissem recuperar os habitats das abelhas. “Somente através do trabalho conjunto e da apicultura com responsabilidade e profissionalismo alcançaremos o êxito”.


Cursiosidades

Uma característica diferenciada das abelhas é que seu tempo de vida não é determinado por um período fixo e sim pelo tempo de vôo, nos períodos de frio, as abelhas são obrigadas a permanecer mais tempo dentro das colméias o que resulta em maior tempo de vida.
É importante ressaltar que o RS, por ser um local de muitas mudanças climáticas e longos períodos de chuva, ocasiona fatores que influenciam no enfraquecimento das colméias, pois as abelhas ficam impossibilitadas de voar, e portanto acabam liberando os próprios dejetos dentro da colméia, ocasinando epidemias nocivas.

PREÇO DO ARROZ

ARROZ COM CUSTO DE PRODUÇÃO DE R$ 29,00 E VENDIDO A R$ 18,00 É ABUSO, DESRESPEITO E DEBOCHE AOS PRODUTORES!! VAMOS COMER IPODS, IPADS, TABLETS!!! QUE TAL????

terça-feira, 3 de maio de 2011

Mineirinha fashion

Stella McCartney, a inglesa que faz o maior sucesso no mundo da moda, terá a inspiração de uma mineira em sua próxima coleção infantil. O desenho de Ana Letícia Miranda Fiúza – um ratinho colorido – faturou o concurso na internet promovido pela filha de Paul McCartney. Os 100 mais votados levarão como prêmio uma camiseta da coleção infantil de Stella. Ana Letícia ficou em primeiro lugar: teve 60 votos a mais que uma garota da Inglaterra. Os desenhos das duas serão estampados nas blusas.
A mãe de Ana Letícia, Marina Fiúza, que mora em São Paulo, teve a ideia de inscrever o trabalho da filha de 6 anos no concurso, divulgado pelo blog Maedarua. Como a família sempre incentivou a menina nas atividades com tinta, giz de cera e lápis de cor, foi fácil para ela criar seu colorido e bem-humorado Mouse Rainbow.


Texto: Helvécio Carlos EM Cultura

sexta-feira, 25 de março de 2011

Reserva Legal gera polêmica no Estado

O novo Código Florestal que entrará na pauta de votação na Câmara dos Deputados, no final deste mês ou no início de abril está gerando discussão no meio rural. As alterações propostas, contidas no projeto de lei aprovado na Comissão Especial, cujo relator é o Deputado Aldo Rebelo, trazem profundas mudanças, especialmente para os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
O atual Código Florestal, que entrou em vigor no ano de 1965 (lei 4.771 de 15/09/1965), foi criado para a realidade agrária e agrícola do Brasil daquela época, entretanto, a situação agora é diferente.
Para os gaúchos, particularmente os que vivem no bioma Pampa, as mudanças propostas poderão gerar grande prejuízo econômico, na medida em que o projeto de lei traz em seu texto a ‘reserva legal’.


Confira este texto na íntegra na próxima edição do Caderno Agronegócios, em Zero Hora

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Modelo

A modelo Helena Bolsson Lopes, atualmente residindo em Florianópolis, fez sucesso no ensaio fotográfico para sua nova agência, a Mini Model. Helena fez muitas poses para o fotógrafo da agência, que a elogiou dizendo "você nasceu para isso menina!". A equipe do blog deseja a Helena muitos flashes!!!
Para ver mais fotos da molelo, clique no ano 2006 do site http://www.minimodel.com.br/


terça-feira, 18 de janeiro de 2011

ENTREVISTA: Ana Alves

Em entrevista ao Blog, a artista Ana Alves conta um pouco de sua história e como o Movimento de Street e Surf Arte fazem parte de seu cotidiano...
Fernanda: Como foi sua vida quando chegou em Santa Catarina, onde muitos hábitos e costumes são diferentes da cultura gaúcha?
Ana: A primeira coisa foi a mudança dos hábitos alimentares...Primeiro vieram os frutos do mar, pois comia muita carne e churrasco. Depois a alimentação vegetariana, mais natural, sem carne alguma...
Fernanda: De quais aspectos você sentiu falta ou ainda sente, quando lembra do Sul?
Ana: Eu moro há mais tempo em Santa Catarina do que no lugar em que nasci... Mas a roda de chimarrão faz muita falta! O Chimarrão diário com a família!
Fernanda: Como começou a pintar e por que escolheu retratar o universo da praia em seu trabalho?
Ana: Minha irmã mais velha me influenciou muito. Ela é formada em artes plásticas, fez aula de desenho desde criança e agora está fazendo um mestrado em literatura sobre as biografias de Frida Kahlo. Também acho q sou influenciada diretamente pelo ambiente no qual vivo. O universo da praia deu-se naturalmente, são as coisas que vivo. Um dia vi um rapaz pintando uma prancha com caneta Posca e quando passei a usá-la, também minha temática começou a mudar
Fernanda: Você tem influências religiosas diretas em suas telas, isso tem alguma relação com suas crenças pessoais?
As telas religiosas não têm nenhuma relação com minha crença pessoal. Admiro a mitologia africana, bem como a filosofia oriental e aqui na ilha a influência açoriana é bastante forte também. Eu também gosto de retratar essa coisa da cultura brasileira, do sincretismo, daí misturo Iemanjás com Aparecida, Guadalupe com a Igreja da Lagoa da Conceição, do Ribeirão.
Fernanda: É possível viver de arte? 
Creio que sim....Tem que ser criativo... Aqui no Brasil não é muito fácil, estou querendo sair um pouco para o exterior pois ainda não expus fora... Dizem que minha arte é muito brasileira e faria sucesso fora...
Fernanda: Quais pintores influenciam teu trabalho?
Adoro os artistas indígenas! Grafismos de índios brasileiros, maoris, maias, etc...Adoro o geometrismo do grafiteiro Gais Ama e também aprecio muito a fase geométrica de Picasso.
Fernanda: Como você descreveria sua arte?
Ana: Eu creio ter influencia direta do movimento de street e da surf art, mas minha arte tem um quê de Brasil muito forte.  Considero-me uma Naif contemporânea...


quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Casamento

Jerusa Dapieve e Rafael Cáceres Gonçalves estão com as malas prontas para Punta Del Este, famoso balneário Uruguaio, onde será realizado seu casamento. A festa acontecerá no Hotel e Spa Las Cumbres, no dia 15 de Janeiro. Convidados ilustres e grandes nomes da sociedade gaúcha, argentina e uruguaia já marcaram presença. Também estarão presentes convidados vindos da Itália e Estados Unidos. 
O casal viaja acompanhado do leiloeiro e pecuarista Pedro Paulo Gonçalves e sua esposa Mimi Cáceres Gonçalves, pais do noivo.
Esta semana que antecede o casamento será para ajuste dos detalhes finais da festa, já que segundo a noiva, está praticamente tudo pronto.
Os convidados poderão acessar o blog dos noivos http://www.casamentojerusaerafael.blogspot.com/ e imprimir os mapas para facilitar o deslocamento até o balneário. Nunca esquecendo da Carta Verde. Há no blog também um mapa que indica o caminho até o local da festa, o Hotel Las Cumbres. Vale imprimir para não haver nenhum problema no trajeto.

No site do fotógrafo Raul Schramm, http://www.raulprodutora.com.br/principal.php pode-se ter uma idéia do que aguarda os convidados no dia 15. No campo "Eventos" pode-se ver o vídeo do ensaio fotográfico que o casal fez no dia 30 de Novembro na Fazenda Vacaquá e na Estância da Serra, bem como as fotos.


O Imaginário em uma Ilha

O imaginário em uma ilha são fragmentos visuais de uma gaúcha da Fronteira com o Uruguai. Um aprendizado de 20 anos na Ilha de Santa Catarina. Florianópolis cosmopolita, gente de todo o Brasil, gente de várias culturas, capoeira, yoga, Surf, arquitetura açoriana, folclore ilhéu, figuras mitológicas marinhas, Iemanjás, grafismos indígenas. Indíos e surfistas se encontram na contemplação com a natureza, na leitura da natureza, dos ventos, das ondas, da Terra... Esta que o mundo moderno esqueceu-se com a correria do dia a dia. O clima tem reclamado dessa falta de atenção.
Uma miscelânia de imagens e técnicas.
Num cenário de Surf e Skate a artista usa Posca, caneta muito usada na pintura de pranchas, Spray e Squeeze, material largamente usado na Street Art. O acrílico, tinta usada na pintura tradicional, também é utilizado por Ana. Lápis Aquarelado, giz e colagem numa influência do cenário Surf e Skate e da geração da Street Art, Naif e Surrealista.